quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Por que a felicidade incomoda tanto??

Quando vou escrever um artigo, me pego observando os pontos que, de fato, interessam e contenham relevância. As relações humanas prendem muito por sermos indivíduos que se completam através do outro. A necessidade de aprovação social e da aceitação pelo grupo torna o homem distinto de todos os outros seres do planeta.

Sentimos vontade de fazer parte de algo maior do que nós mesmos e, muitas vezes, nos agrupamos em sociedade para burlar essa sensação de não pertencer a nada e estar solto, sozinho no mundo.

Acredito que, às vezes, é melhor mesmo estar só, mas temos necessidades emocionais e sociais. Até agora, não relatei nada novo, nem surpreendente!!!!

O que me chama a atenção é a inveja. Ao estarmos próximos uns dos outros e termos acesso à vida do vizinho, alguns de nós são tomados por esse sentimento que é corrosivo e peçonhento. O carro, a casa, as roupas, os filhos, o marido, o corpo, tudo do outro é cobiçado, almejado de forma voraz. Mas será mesmo que desejar o que é do outro é válido??

Nossas vidas têm sentido. Todos temos famílias, filhos, casas, carros e tudo mais. E por que querer o que não é nosso??

Olha, não vejo razões para esse comportamento. O invejoso é um sofredor e nada irá fazer com que ele valorize de fato o que possui. Contudo, observando a atual sociedade, vejo que o que mais causa inveja em homens e mulheres não são os bens de consumo e, muito menos, os maridos e sim: a FELICIDADE.

Nada incomoda mais do que alguém que é feliz. E posso dizer porque já presenciei cenas tenebrosas: mulheres lindas, cobertas de jóias, com olho gordo na alegria de viver da amiga que tem um marido apaixonado, mesmo que a única jóia que leve seja a própria aliança.

Grupos de encontros de mulheres, onde a competição é acirradíssima, da bolsa, do sapato, do corpo, quem fez e quem não fez plástica, e por aí vai... Só que a maior inveja é de quem é Feliz. Feliz do seu jeito, comendo sobremesa, no carro do ano passado e com os filhos que fazem suas traquinagens. Porque assumir que tem problemas é para quem é feliz de verdade. Os invejosos possuem uma vida perfeita, tudo de fachada. Ao chegarmos perto, constatamos a ilusão de óptica.

Ser feliz é viver em harmonia consigo, com a família, os valores e, acima de tudo, com sua espiritualidade. Ter um equilíbrio espiritual te fará mais tranqüilo e menos ansioso. Nas rodinhas femininas é explícita a inveja da felicidade alheia. Entre os homens também existe, todavia é algo mais velado. O que, de fato, os marmanjos almejam são os carros, i pods e brinquedos do outro.

Já a mulherada está sempre de olho em tudo!! Não vivem e representam personagens de uma ficção criada por elas mesmas, onde tudo deve aparentar grandeza, status e riqueza. A felicidade reside em você mesmo. Está em ver graça naquilo que temos e bem ao nosso alcance. Claro que desejar uma vida melhor não faz mal a ninguém, mas se morder de raiva porque sua amiga tem isso ou aquilo não te fará crescer.

Quando vemos algo que nos interesse, devemos correr atrás para alcançá-lo. Se for um trabalho, devemos nos capacitar, se for um corpinho bacana, devemos malhar (isto é, se de fato interessa), se for um amor, que tenhamos paciência e sabedoria para manter acesa a paixão e por aí vai!!!

Desejar a felicidade alheia é demonstrar o quanto não somos inteiros. Necessitamos olhar para nosso eu e resgatar o que possuímos de melhor. Deixar aflorar o belo de nossa natureza e tentar ser feliz com o que está ao nosso redor. Com certeza, teremos razões para sorrir e erradicar a inveja do outro.

Xô inveja, xô!!!!

6 comentários:

jorge disse...

O isolamento pode ser expressão da liberdade de cada um poder estar só.
Estar sózinho é preparar as coisas para deixar de estar assim.

Lia Pinheiro Alcoforado disse...

Jorge,
os momentos solitários são necessários para o auto conhecimento e crescimento. Acredito que a agregação é um mecanismo de sobrevivência, mas confesso que na solidão de nossos pensamentos desnvolvemos maneiras para melhor conviver!! Devemos nos conhecer e respeitar como somos! Muio obrigada por sua paricipação! Show!! Um abraço,
Lia Alcoforado.

Fábio disse...

DI - TO!

Muito bem postado o artigo.Senti na pele alguns anos atras logo quando entrei na faculdade de Arquitetura e Urbanismo por tratar-se de uma graduação que envolve estilo e bom gosto.Admito que tal fato nao se conquista do outro e sim de vc mesmo.Com simplicidade é claro!

PARABÉNS!

Uno baccio!

Lia Pinheiro Alcoforado disse...

Fábio,
merci, merci por seu depoimento!
Boa sorte e sucesso!!!
Beijos!

Gustavo Serpa disse...

Certa vez me disseram Lia, que podemos ver quem são nossos amigos na hora da dor, necessidade, enfim, momentos difíceis... Porém, uma outra pessoa (na minha opnião mais sábia), falou-me que podemos provar quem são nossos VERDADEIROS AMIGOS, na hora da FELICIDADE!!! Alguns pessoas não suportam a alegria alheia, o sucesso alheio... É para essas pessoas que temos que orar, rezar, pedir a Deus que sejam felizes longe de nós... Amei o artigo Lia. PARABÉNS!!! Sucesso para vc!!! Gustavo Serpa

Lia Pinheiro Alcoforado disse...

Gustavo,o texto retrata esse lado mais nebuloso do ser humano, por isso mesmo devemos nos proteger e seguir adiante. Xô invejosos!! Xô!! Beijos e obrigada por participar!!!

Postar um comentário