sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Por que casar???

Casar na Igreja, de véu e grinalda, com um vestido branco deslumbrante e muitas fotos para registrar o momento tão sonhado e almejado por uma legião de mulheres independentes, modernas, descoladas e avessas à caretice é algo realmente compatível???

Será que combina a postura da “mulher solteira à procura” na “boate” com a da doce e prendada esposa???
Ironias a parte, penso que quanto mais as mulheres evoluem, mais ficam presas a certas convenções sociais! Casar, ter filhos e coordenar uma casa não é passaporte obrigatório para a felicidade e, muito menos, uma etapa social a ser cumprida.

Cada mulher deve escolher os caminhos que a levam aos objetivos que a tornem feliz. A carreira profissional para muitas de nós se torna um fardo por termos que abrir mão da vida pessoal e afetiva. Já para outras, a vida emocional toma todo o tempo – o que impossibilita o alto investimento profissional. A convergência nessas situações são as cobranças que essas distintas mulheres sofrem por parte da sociedade, dos parceiros, de familiares e delas mesmas.

Assumir os seus objetivos e tentar conquista-los podem ser uma chance maior de felicidade e êxito do que tentar fazer tudo ao mesmo tempo e ainda não conseguir manter a excelência em suas diferentes frentes. Lembre-se: não dá para “abraçar o mundo com as pernas”. Por mais que nos desdobremos em mil mulheres, em algum momento teremos que escolher entre a dedicação exclusiva à carreira e um bem cuidado matrimônio. Sucesso profissional não é essencialmente uma excludente de um bom casamento, mas a atenção terá que ser redobrada e a postura do companheiro fundamental para coordenarmos nossas ações. Não é possível realizar tudo sem parceria e auxílio.

Viver as etapas da vida, como uma planilha bem definida, nem sempre é possível. E, para muitas jovens, cursar o ensino superior, firmar-se profissionalmente e depois casar e ter filhos pode ocorrer em momentos distintos e a sensação de que o destino possa fugir das nossas mãos será inevitável. E, à propósito, o destino pode ser manobrado??

Se conseguirmos conciliar todos esses requisitos impostos pela sociedade atual e equilibrarmos nossas reais aspirações, o jogo da vida será mais gratificante. Contudo, nem sempre é assim e será nossa capacidade de flexibilização e paciência que poderão ser aliados primordiais para uma gostosa sensação de paz de espírito e realização.

Voltando à “moça da boate”, o que podemos mensurar é que muitas garotas possuem desejos diferentes e casar não necessariamente é a vontade de todas nós. Mas por que casar?? Por que o matrimônio ainda é uma meta tão em alta?? Será que o sonho do príncipe é tão forte assim??

O fascínio pelo casamento reside no rito, na pompa e em toda a atmosfera e peso que representa. Uma mulher interessante, bem sucedida, bonita e inteligente que não casou não deixará de ser a solteirona ou aquela que ficou pra “titia” e o pânico deste selo empurra muitas garotas a perseguirem um ideal que não necessariamente advém de seus desejos e sonhos.

Assumir que sua carreira, viagens com os amigos e a badalação estão em um patamar acima de constituir família e um lar pode ser um carimbo para a eterna solidão. É dessa forma que muitos encaram, mas, bobagem, o importante é ser honesto consigo mesma.

A felicidade não é uma receita de bolo e encarar o matrimônio como uma resposta para a sociedade fará de você uma mulher mais infeliz e carente do que aquela que assumiu seus desejos e encarou a vida de frente.
Não sou contra o casamento, afinal de contas vivo feliz com meu marido e filho. Claro que passamos por momentos de instabilidade emocional, mas todos nós temos nossos dias reflexivos e até azedos. Paciência, a vida é assim!!!

Como uma mulher do meu tempo, também tenho ansiedades que estão relacionadas com meu futuro profissional e, de carteirinha, posso afirmar que as mulheres que elencaram no topo de suas prioridades Casar e ter filhos também sofrem pressões. Estar no mercado de trabalho é obrigatório e encostar o diploma na gaveta é assinar uma sentença de morte. Porém digo: Calma, calma!!! Tudo ao seu tempo!!

O sucesso profissional virá para as mães, as casadas e com uma casa para organizar, poderá demorar um pouquinho mais. O caminho pode ser mais longo. O importante é não desanimar.

Já para as que elegeram a carreira como ápice de suas vidas, não esquentem! Casar não te colocará no mercado afetivo como uma vencedora e, assumir que, de fato, você quer sair e badalar não te diminuirá em nada, ok?!

Cada mulher é única e deve comandar sua vida calcada em seus reais e íntimos anseios. Chega de “casal 20”, de arquétipos ideais. Seja feliz e ponto final. E, se casar, saiba que seu marido será o seu príncipe, mas não necessariamente encantado!!! 

4 comentários:

LUCIANA disse...

Adorei, Liazinha. É isso mesmo. Análise perfeita. Bj. Luciana

Lia Pinheiro Alcoforado disse...

Lu,
obrigada por sua participação!
Um super beijo,
Lia.

Suzane Farias disse...

Como sempre, adorei o texto amiga!!! E acrescento que o principe nem será encantado e as vezes parecerá um sapo!!! Mas, como voce mesma disse... é a vida!!!

Lia Pinheiro Alcoforado disse...

KKKKKKKKK
Obrigada Su!

Postar um comentário